News Update :
Home » » Municipalismo Verde X Comunismo e Fascismo

Municipalismo Verde X Comunismo e Fascismo

Sem nenhuma dúvida, estamos vivendo sob o fascismo, no Brasil, diverso dos sonhos para se alcançar um comunismo utópico, banido, desde 1989, quando da queda do muro de Berlim, que resgatou a cidadania da humanidade.

Afinal, cabe a pergunta: o que é, em síntese, o fascismo?

Um regime político que coloca o Estado (País) acima de todas as conveniências políticas ou empresariais, respeitando, todavia, a propriedade privada e os meios de produção, nacionalizados estes pelo comunismo.

Mussolini, em um discurso proferido dia 28 de outubro de 1925 proferiu a frase que define concisamente a filosofia do fascismo: "Tutto nello Stato, niente al di fuori dello Stato, nulla contro lo Stato" ("Tudo no Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado.”

Podemos inferir, neste momento,  que o fascismo está mais para o Brasil do que o comunismo, pois algumas das liberdades essenciais ainda se encontram preservadas, graças à Constituição Federal, aos órgãos mundiais como ONU, e aos meios de comunicação independentes.

Entretanto, as forças políticas que se alternam no governo, fazem enorme distinção entre os que trabalham e produzem a riqueza nacional, como a conduzir-nos, inevitavelmente, ao controle da vida dos municípios, compelindo os entes menores a simplesmente recolher impostos, estes em número assustador, para a nababesca orgia dos que, guindados ao poder pelo processo eleitoral, usam e abusam de todos os direitos individuais e coletivos.

É, sem duvida, o caminhar judicioso rumo ao fascismo, onde os privilégios federativos estão acima das províncias (estados) e municípios, arremedando o antigo regime do Duce!

Embora imitativo, o regime (ou modelo político também apelidado de democrata)  fere princípios básicos da civilidade, pois quem produz recebe menos, enquanto quem pouco faz  refastela-se com o dinheiro público (60% do bolo tributário).

É o caso de  este atual modelo ser chamado de fascista ou mesmo de colonialista, aristocrata ou plutocrata. Tanto faz!

Cria-se um interregno, uma  violenta separação entre os direitos de todos e os direitos de meia dúzia, quando os poderes são tisnados e conspurcados pelos que de cima exemplificam.

É triste sabermos que a Ordem Jurídica vigente do Estado de Direito encontra-se praticamente sob domínio de outro tipo de estado: o Estado Paralelo, permissivo,  que  busca, de todas as formas possíveis, aniquilar o Estado de Direito.

Asso, se exprime um internauta:

Com um judiciário podre e Forças Armadas desmoralizadas e servis a um desgoverno fascista não pode existir uma sociedade digna.”

O fascismo engendrado, ainda que sem a ideologia Mussoliniana, constitui-se num perigo real porque obriga a sociedade brasileira a suportar vexames e ignomínias de todo jaez, como as que estamos suportando no reinado absolutista atual.

Não se pode dizer que há uma democracia plena, como asseverava Rui Barbosa, porque o povo não está no poder, mas apenas grupos empresariais, que controlam todos os três poderes e fazem a cabeça dos que os elegem, através da mais avassaladora corrupção.

Contra o comunismo caduco, ultrapassado, e o fascismo ideológico, está se plantando aqui um fascismo idiota, aristocrático, plutocrático, colonialista, sem que o povo possa dar conta das asperezas e incongruências do modelo neoliberal assumido há várias décadas.

Para AME FUNDAÇÃO, somente o Municipalismo Verde, inserido no AUTOGOVERNO, conforme Pacto da ONU e Declaração Universal dos Direitos Humanos, poderá mudar os rumos da federação com vistas um modelo político condizente com a realidade em que vivemos, isto é, dando força total aos que produzem a riqueza nacional: os municípios! A instituição de cidades-estados é u passo decisivo para livrar os entes menores do jugo fascista-colonialista!

AME FUNDAÇÃO MUNDIAL DE ECOLOGIA –
Share this article :
 
Design Template by panjz-online | Support by creating website | Powered by Blogger